quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Museu: Grandes Plantéis - 1989 1990

Continuando admirado por este blogue ainda estar operacional e a celebrar um ano de vida, continua de igual modo a publicação de alguns momentos que sempre me ficaram na memória pelos melhores motivos.
Deixo-vos aqui um dos melhores planteis da história mais recente do nosso clube: 1989-1990.

Esta ficou conhecida como a época da grandes goleadas em contra-ponto com a anterior onde Vata foi o melhor marcador e muitos dos golos chegaram tarde mas ainda a tempo de nos darem a vitória. Eriksson tinha regressado ao comando da equipa e Toni tinha aceite, por ser tão Benfiquista, a despromoção a técnico adjunto, mesmo sendo campeão e finalista da taça de Portugal...

João Santos tinha aquela vontade impossível de ser modificada, de voltar às finais. Toni tinha lá chegado há dois anos mas foi uma final difícil sem chama (por via da lesão de Diamantino). Com Eriksson muita coisa mudou para melhor, mas o polvo do norte estava em grande expansão! Só assim se pode conceber como é que este plantel não foi capaz de ganhar tudo cá em Portugal:
Aqui vão os craques de então que defenderam as cores do nosso clube, numa produção da antiga Benfica Ilustrado:
Tínhamos dois excelentes guarda-redes. Silvino era o substituto natural de Manuel Bento após a malfadada lesão de saltillo. De Dias Graça não posso escrever muito pois, que eu me lembre, pouco ou nada jogou.
José Carlos foi uma revelação durante a época, subiu a pulso e tornou-se dono do flanco direito da nossa defesa.

Samuel foi sempre o bombeiro de serviço, muito preciso na sua arte de defender que valeu a papin uma noite apagada na nossa antiga catedral.

Veloso foi o mesmo de sempre: Um super capitão que nunca desistiu.

Fernando Mendes... antes de ir tomar a amarelinha do póvoas lá para o norte ainda teve as suas oportunidades, mas o seu coração não estava fadado para gostar de ali estar.
Só uma grande dupla de centrais poderia suceder a outra: Ricardo e Aldaír... Nada mais a acrescentar.

Paulinho foi vítima desta dupla, o que podia ele fazer?

Fonseca nunca me pareceu ser o sucessor de Álvaro, a chegada de José Carlos e a passagem de Veloso para a esquerda significaram a sua saída da equipa.

Paulo Madeira dava os seus primeiros passos.
Vítor Paneira tinha sido uma das revelações da época transacta, apenas tratou de confirmar que era um dos melhores médios alas direitos da história do clube.

Hernâni... Gostava imenso dele, uma energia e entregas infindáveis faziam com que fosse de uma extrema utilidade.

Valdo... Acho que não há muito dizer deste mágico brasileiro certo?

Jonas Thern foi uma da mais brilhantes contratações do Benfica. Gostava deste sueco uma vez que era elegantemente pujante e inteligente.
Ademir também nunca me encheu muito as medidas, era meio borracha quente a jogar, a coisa não fluía muito com ele.

Diamantino tinha dois problemas: A lesão que o debilitou fisicamente e Valdo que estava em grande... O que se podia fazer? Foi a sua última época no Benfica.

Pacheco era já uma certeza, uma flecha apontada à linha ou à baliza adversária.

De Abel só guardo gratas recordações, ela tinha um pique desconcertante... Muito tecnicista igualmente.

Chalana... Infelizmente foi a época de despedida do pequeno genial do Benfica, e quantas alegrias ele trouxe ao Benfica, maldita França!

Paulo Sousa aqueceu os motores para a sua grande época, Eriksson viu ali algo de novo.
Vata... Tinha sido o melhor marcador da época transacta, com Eriksson jogou menos mas brilhou alto lá na ponta do seu braço direito.

Magnusson tinha até então provado que era alto e muito mais tosco que Maniche, nas mãos de Eriksson desatou a marcar golos como nunca desconfiei que lhe fosse capaz.

Lima, aquele cabelo... Não se adaptou muito bem mas foi muito útil em dniepr e marselha.

César Brito... Esta foi a época que antecedeu a sua promoção a imperador. Sabendo que não era um primor, deu sempre tudo pelo clube e depois começou ele próprio a ver que porventura era capaz de ser mesmo um excelente jogador.
Estatísticas do campeonato
É claro que a época se saldou por um fracasso em termos de títulos (o Benfica só venceu a Supertaça frente ao Belenenses). Por outro lado, ficou marcada por mais uma ida à final da TCCE, actualmente a Liga dos campeões. Era a oitava final do Benfica nas provas da UEFA.

O Jornal A Bola, publicou em 1990 esta interessante retrospectiva sobre a campanha europeia do Benfica:



De facto, um resumo interessante sobre a campanha europeia e especialmente sobre os jogadores, que dá ao leitor a oportunidade de descobrir mais sobre os jogadores que noutros tempos envergaram o manto sagrado.

Fica a caminhada para a final da TCCE:
E um pequeníssimo resumo com poucos jogos... Foi o que foi possível! Vejam o banho de bola que demos ao porto e... 0-0!

E Pluribus Unum

3 comentários:

  1. Ora aqui está talvez a temporada mais suja de sempre do futebol português.Se bem me recordo foi neste campeonato que um jogador de seu nome Demol,defesa central do porto terminou a epoca com 12 golos marcados todos de penalti,com Geraldão e Branco tambem a terem oportunidade de mostrarem a sua capacidade nos inumeros livres que eram inventados para marcarem golos.Foi a temporada em que o presidente do Concelho de arbitragem era o corrupto Lourenço Pinto,aliás o futebol português nessa altura era asfixiado pelo trio de Pintos,pinto da costa,lourenço pinto e adriano pinto.Com tanta máfia mais uma vez esta excelente equipa do Benfica estava condenada a poder demonstrar todo o seu valor apenas nas competições europeias.Foi tambem a época que viria a marcar a despedida do Benfica de 3 grandes jogadores ,Diamantino,o pequeno genial Chalana e Alvaro,enquanto que no que diz respeito a contratações chegavam os craques Thern e Aldair reforçando um plantel que dispunha de jogadores do calibre de Bento,Silvino,Veloso,Samuel,Ricardo,José Carlos,Paneira,Abel,Hernani,Valdo,Pacheco,Vata ou Magnusson que nesse ano ganhou a Bola de Prata.Para a historia fica a conquista da Supertaça frente ao Belenenses,as inumeras goleadas no campeonato,a vitoria na Russia com o Dniepr(com um golo fabuloso de Ricardo),a eliminatoria com o Marselha e a final da Taça dos Campeões contra a melhor equipa que vi jogar até hoje,o A.C.Milan de Van Basten,Gullit,Rijkaard,Baresi e Maldini.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi a época das cilindradas. E a malta admirada com o porquê de não ganharmos nada!

      Eriksson optimizou Magnusson, o sueco, nas duas últimas épocas, tinha marcado uns golitos aqui e ali mas nessa época pulverizou defesas.

      De facto, jogámos contra uma grande Milan mas fomos derrotados por um apito vindo da bancada. É audivel o tal apito bem como é visível a hesitação de Hernâni que numa fracção de segundo perdeu o contacto com o Rijkaard e...

      Se portugal era/foi o país dos três Fs, nessa época e como diz o Alexandre, era o país dos três Ps. No campeonato ficámos a quatro pontos do clube da fruta.

      Na taça saímos aos 16/avos eliminados pelo setúbal num jogo arbitrado pelo xico silva o tal que viria a ser traído uns anos depois... Xico silva que só via penaltis para o lado dos seus amigos...

      Vou colocar um vídeo neste post ainda hoje. Sobre o xico silva...

      Saudações Gloriosas Alexandre.

      Eliminar
  2. Em relação ao golo do Milan na final,essa era uma estratégia muito utilizada pelos italianos,que passava por amarelar bem cedo os 2 centrais da equipa adversária e colocar pessoas á volta do relvado para em momentos decisivos apitarem,confundindo os jogadores da outra equipa.Á parte disto continuo a dizer que foi a equipa mais forte que vi jogar até hoje,não a que dava se calhar mais gosto a ver,mas a que era mais completa,seja em termos defensivos ou atacantes.Jogar contra eles era dificilimo nomeadamente através do pressing sufocante que faziam em todo o campo.

    ResponderEliminar

Ok digam o que bem entenderem.
Depois eu vejo