terça-feira, 9 de junho de 2015

Vítor Paneira, Um Ala Romântico.

Vítor Paneira (Vítor Manuel da Costa Araújo). O último grande ala direito português... Mais um dos meus ídolos de infância!
Sete épocas no Benfica (1988/1995). 289 jogos, 44 golos. Três vezes Campeão Nacional (1988/1989, 1990/1991 e 1993/1994), Uma Taça de Portugal (1992/1993) e Uma Supertaça (1989/1990).
Obrigado ao forum SerBenfiquista, sem eles, isto não teria sido possível.
O que dizer de um Benfiquista que foi um jogador importante da história já não tão recente do Benfica? Obrigado... Mas mesmo OBRIGADO Vítor.

Paneira, pela informação recolhida, era um homem vertical simples e humilde. Começou a dar pontapés na bola algo tarde (aos 16 anos) em vários torneios de futsal e integrou a equipa do Riopele. Por ser muito bom de bola, subiu para o clube grande da sua terra o Famalicão. É nesta altura, 1987, que é descoberto por um grande olheiro do Benfica de então, Peres Bandeira, que o tenta contratar de imediato.
O problema é que Paneira já se tinha comprometido (dado a palavra) com o Vizela, mas aquele coração Benfiquista deu a volta à situação: Convenceu a direcção do Benfica a contratá-lo mas ao mesmo tempo a emprestá-lo por uma época (1987/1988) ao Vizela... O Benfica disse sim, em boa altura - velhos tempos, e Paneira começou a representar o Benfica na época seguinte (1988/1989).

E foi dono daquele lugar até...
Entrou na época em que Dito e Rui Águas se tinham acabado de transferir para o porto. Parece que o presidente desse clube (já condenado por corrupção), possuidor de uma visão estratégica sem impar, afirmou o seguinte: "Com contratações como Vítor Paneira e Vata, devem ser campeões!"... Há coisa assim...

Era muito versátil. Era o Vítor do lado direito que sabia os ritmos e era tremendamente disciplinado tacticamente... Era de facto um operário. Mas era um operário com curso universitário... Fazia qualquer posição na direita e até no centro (excepto avançado).

Tinha o tal drible que era difícil de anular... Se o futebol fosse informática, o conceito copy paste aplicar-se-ia ao seu drible que, naqueles tempos, milhares devem ter tentado fazer pelos pelados de Portugal fora. Os cruzamentos eram de régua e esquadro... Percepção e visão periférica muitíssimo apuradas. Era franzino, por vezes não percebia como é que aquele palito aguentava... Mas aguentava e não era pouco, e ainda dava luta até acabar! Tomava muito boa conta de si pelo que não era dado a lesões... Estava ali pelo Benfica e pelo futebol!
O episódio do exército... Parece que em Junho de 1990, Paneira foi acusado de desertor e foi condenado pelo Tribunal Militar a 75 dias de prisão efetiva que cumpriu na cela número 4 da Casa de Reclusão do Porto, onde exerceu a função de dactilografo:
Mais um vendido... E era Benfiquista... O joão e não o Vítor! O certo é que tal acontecimento não afetou minimamente o jogador ou a sua carreira.

Para mim foi dos jogadores mais importantes e emblemáticos da minha infância de Benfiquista. Nené, Shéu, Chalana, Carlos Manuel, José Luís, Bastos Lopes, Pietra, Álvaro, Diamantino e Bento, eram ídolos de uma geração que estava no finalizar das carreiras e esse é o momento em que surge Paneira, é o momento em que mais consciência ganhei sobre o Benfica.
Em 1993, durante as férias de Verão (estava eu hospitalizado), aconteceu o famoso raide da Luz protagonizado pelo sporting de sousa cintra. O sousa e o pacheco foram atrás do dinheiro. O Rui Costa não era de se deixar enganar pois era (e é) Benfica. Isaías não era estúpido... E Vítor Paneira também foi aliciado...

Mas era Benfiquista. Conta-se que foi comunicar o facto a Jorge de Brito e avisá-lo que não era o único a ser assediado. Talvez por isso, Brito tenha conseguido "pagar" a permanência de João Pinto.

Leiam agora uma outra entrevista de 2013, que candidamente retirei do blogue Planeta Benfica (que estranhamente está inactivo há tempo demais):
É... Ele saiu a mal do Benfica! O presidente damásio, o burro que nunca foi campeão mas cujo mandato começou com o herdar de uma equipa que se iria tornar campeã, colocou uma toupeira no Benfica. Como era inocentemente infeliz, deu ouvidos ao rato e despediu a equipa técnica Campeã Nacional... Vendeu Rui Costa e Schwarz; Despachou Neno, Veloso, Mozer, Kulkov, Iuran, Isaías, Ailton, Rui Águas e Vítor Paneira. Isto dá onze jogadores (Se bem que veio o Preud'Homme)!

Vítor, ainda jogou ao mais alto nível pelo guimarães, depois de recusar mais um assédio do sporting de santana lopes, para terminar a carreira na académica!

Na Selecção Nacional...
Entrou na selecção na altura em que a podridão estava cada vez mais profunda. Depois do caso saltilho, a equipa nacional era futre e os que se pudessem aproveitar. Uma defesa onde só veloso tinha qualidade... O venâncio, o leal e joão trauliteiro pinto... Queriam ir a fases finais...

Contabilizou 44 Internacionalizações. Poucas até porque Rui Costa e Figo estavam a chegar...

Depois de abandonar a carreira foi comentador da sportv, e essa é a fase em que relativizei as coisas. Ele não era nada imparcial nos comentários que fazia aos jogos do Benfica. Notava-se uma certa tristeza e raiva nas suas apreciações aos jogos do GLORIOSO. Mas eu desconfiava que se estivesse no lugar dele e com toda aquela história da saída, era... Bem, jamais o saberei!

Pelos vistos está de volta ao topo do futebol português, uma vez que vai orientar o primodivisionário Tondela!
Fica um vídeo que fiz em homenagem a este singular jogador (a qualidade é aquela que pude encontrar pois isto são coisas com com cerca de trinta anos...):
PS: Um dos jogos mais marcantes da carreira dele no Benfica, foi contra a juventus de Itália. O Benfica ganhou por 2-1, tendo os dois golos sido apontados pelo Vítor... Aqui a festejá-los:
Este é um dos mais belos golos (jogada incluída) que vi em toda a minha vida:
Mais uma vez, obrigado pelos sete anos Vítor.

E Pluribus UNUM
Sabem que jogo era este?

12 comentários:

  1. Que bela homenagem a um dos jogadores mais marcantes da minha infância! Enorme, Vítor Paneira. Oxalá se dê bem no Tondela!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Paneira não é muita de baixar as calças. Por isso é que ainda não vingou como treinador em Portugal.

      No tondela... Bem, penso que Paneira tem ideias mas não sei se tem equipa! Veremos, desde que não seja contra o Benfica!

      Saudações Gloriosas!

      Eliminar
  2. O jogo em questão é o Arsenal - Benfica, em Highbury Park? (1-3, após prolongamento)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente Pedro.

      Estou de férias mas se a vontade não faltar, esse vai ser o próximo artigo.

      Saudações Gloriosas!

      Eliminar
    2. Saquei-o o ano passado, salvo erro, no youtube. Comentários do Rui Tovar :)
      Dos nossos jogos mais épicos! Centrais: Paulo Madeira e Rui Bento :)
      Abraço!

      Eliminar
    3. Mas o Eriksson não era burro... Colocou o Kulkov à frente deles (madeira e bento)...

      Eliminar
  3. De burro não tinha nada! O Eriksson era uma espécie de JJ daquele tempo... potenciava os jogadores de maneira soberba. O Rui Bento, que não tendo feito uma má carreira mas teve uma carreira modesta, era apelidado nesta altura por "pequeno Baresi", tal era o potencial que lhe viam.
    Era um meio campo de sonho: Kulkov, Thern, Schwarz e Rui Costa :O Depois ainda lhe chegámos a juntar o Paulo Sousa!!
    E com estas equipas conseguiamos perder campeonatos para os corruptos... Eram os anos dourados da "estrutura", dos irmãos Calheiros e dos seus destinos turísticos para o Brasil, do guarda Abel, etc. etc.
    Saudações Gloriosas!

    ResponderEliminar
  4. Bom post! No meio do lixo todo que anda por aí, é bom ler algo sobre um dos nossos e sobre a nossa história!

    ResponderEliminar
  5. Um dos meus maiores idolos de sempre,se não o maior.Quanto eu não dava agora para ter um senhor deste calibre no plantel do Benfica.Áparte de tudo o que já foi relatado,recordo que foi um dos que teve o caracter de não voltar as costas ao Benfica naquele verão de 93,dando uma nega até com algum desprezo á proposta feita pelo palhaço cintra,para se mudar para a pia de alvalade.Por ser reconhecidamente um dos nossos,a sua carreira de treinador tem sido dificil,ao contrario dos costinhas desta vida.Idolatrei o Carlão,Gamarra,Poborsky,Miccoli,Thern ou Javi,mas Paneira para mim foi e será o meu maior idolo que tive no Glorioso.Agradeço ao administrador do blog este artigo,Paneira será sempre um dos nossos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tens que agradecer Alexandre, o prazer é meu por que estou a Benficar.

      Andam muitos a chatear-se com a contra informação do período de férias mas eu nem por isso. Prefiro redescobrir a história do clube e colocá-la aqui para quem se interessa em recordá-la ou descobrir/aprender sobre ela.

      Uma situação que falta aqui, é uma que penso que ocorreu em 1992 1993 entre o Paneira e o Toni. lembro-me que ele foi preterido durante alguns jogos. Gostava de saber se foi minha impressão ou se...

      Em relação à história do Benfica, estão para breve dois artigos sobre o Arsenal-Benfica, José Águas e Ricardo Gomes.

      Saudações Gloriosas!

      PS: Esqueci-me desse facto do verão quente de 1993. O meu obrigado Alexandre, vou acrescentar.

      Eliminar
  6. Paineira,Isaías,Hernani,Hélder,traidores Pacheco e Rui Aguas,William,César Brito,João Pinto ou Abel Xavier,todos contratados a clubes portugueses de menor valia e que foram quase todos referências nessa altura. Apesar de ser um post sobre o senhor Vítor Manuel da Costa Araújo,refiro um jogador que foi esquecido e muito azarado,caso do Hernâni, que para mim,se tem tido a carreira que prometia,seria hoje idolatrado por todos nós e odiado por todos os acéfalos lagartos e Andrades. Lembro-me ainda do senhor Trappatoni ter dito que o Paneira era dos jogadores mais fracos do Glorioso,e depois dessa eliminatória o querer contratar.

    ResponderEliminar
  7. Lamento e muito a forma como saíu do Benfica. Não teve o destaque na selecção nacional devido a ter lhe aparecido um "figo" e dos grandes

    ResponderEliminar

Ok digam o que bem entenderem.
Depois eu vejo